não sou agência de emprego

quando eu estava ligado
a um grupo empresarial
recebia muitas conexões
na minha rede
visando vaga de trabalho

ou

venda de serviços

boa parte
bola fora

depois mudei de emprego
e pelo título do meu cargo atual
sigo recebendo conexões
de ocasião

que talvez projetem em mim
algum trampolim laboral

sei lá

sem querer jogar água no chope
de ninguém

mas

se meu status laboral mudasse
para ‘aberto a novos desafios’
(mais um eufemismo para desempregado)

a coisa mudaria

eu ficaria na seca de conexões
ou
receberia alguns possíveis
tapinhas nas costas
na linha do
‘vamos tomar um café um dia’

se você segue alguém
pelo seu cargo ou empresa
e não pelas suas ideias

e
crê nisso

vá em frente
quem sou eu pra julgar sua posição

o pior é vender uma coisa
e comprar outra

tantos que vendem um mundo
recheado de propósito
e de conteúdo

mas
seguem em busca de
conexões oportunistas

algo, aliás
muito comum aqui na rede
e
no mundo real laboral

o mesmo que segue produzindo
camisetas pretas com palavras de efeito
canecas coloridas
e
sorrisos amarelos

#impactonaencruzilhada

O post não sou agência de emprego apareceu primeiro em Fábio Deboni.